Changes.

 

Um amor perdido, um amigo esquecido, um ano passado.

 

Quando olhamos para trás e não vemos nada senão nevoeiro denso que não nos deixa sequer reviver para não sofrer. Mudamos e nem damos por isso, até porque a inicio quando somos avisados respondemos com naturalidade : eu nunca vou mudar.

É mentira, mas mudamos por necessidade às circunstâncias, adaptamo-nos àquilo que nos é proposto e as consequências são as pessoas, ou a perda delas, e é quando olhamos para esse nevoeiro e sentimos aquele aperto no peito e aquela inquietação constante que faz vergar os mais fortes, sentimento cruel denominado saudade, que percebemos que aquela pessoa era parte da nossa vida. Chorar agora não vale de nada mas sorrir é fazer o interior arder de sofrimento, por isso simplesmente erguemos a barreira e prosseguimos, porque é o caminho mais fácil e o único que nos parece oportuno. Mas vai sempre haver aquela voz que grita por uma reviravolta, um retorno ou um novo começo. Uma nova oportunidade.

 

sinto: .
música: .
tags:
publicado por La vie en blanc às 19:42 | link | comentar